obesidade e a baixa autoestima

Como lidar com a obesidade e a baixa autoestima?

O amor próprio é afetado quando você não se sente à vontade com o seu próprio corpo ou com sua aparência. Com o tempo, o sentimento desencadeia diversos outros problemas, devido à ansiedade, comportamentos antissociais e a depressão. Pensando nisso, traçamos uma relação entre a obesidade e a baixa autoestima.

A obesidade e a baixa autoestima é uma relação cíclica, pois um indivíduo com baixa autoestima “desconta” sua tristeza na alimentação, provocando a obesidade. Da mesma forma, uma pessoa obesa não possui estímulo para iniciar uma dieta devido a percepção negativa sobre si mesmo.

Parece confuso e, de fato, não é uma situação simples. Porém, ao longo do texto, veremos como lidar com esses dois fatores.

Conexão entre obesidade e baixa autoestima

A forma como nos sentimos em relação ao próprio corpo e a aparência é realmente importante. Emagrecer não é um processo rápido. No entanto, a autoestima em alta aumenta a confiança e a determinação, fatores importantes para uma dieta bem-sucedida.

Além disso, como dissemos, as pessoas geralmente recorrem à alimentação para aliviar suas angústias e seus problemas.

Naturalmente, um indivíduo que sofre de baixa autoestima consome mais alimentos que o corpo necessita. Na medida em que o corpo começa a se transformar, a frustração aumenta. É um ciclo vicioso difícil de ser quebrado.

A dificuldade para emagrecer em uma pessoa desmotivada, rebaixa ainda mais sua autoestima e ela se sabota e abandona o regime. O desânimo ganha espaço e desaparece o estímulo para mudar os hábitos e incorporar uma vida mais saudável.

Como tais fatores interferem no seu corpo?

A obesidade pode não só trazer prejuízos estéticos para o corpo. O sobrepeso pode desencadear diversos problemas de saúde, principalmente os cardiovasculares.

Da mesma forma, os sinais da baixa autoestima podem incluir o desânimo, a dificuldade em realizar tarefas, ser dependente da opinião alheia, se desvalorizar e achar-se o pior em todas as situações.

Identificar esses traços é um bom início para o começo do tratamento. Com o auxílio de um médico competente, é possível retomar a força de vontade e promover o bem-estar. Se necessário, além de um especialista em obesidade, é necessário buscar auxílio psiquiátrico.

Como enfrentar os efeitos da obesidade na autoestima?

Para lidar com esses efeitos, é preciso valorizar as suas qualidades físicas e mentais. Porém, é importante ficar atento e se preocupar logo quando o peso começa a interferir na saúde e autoimagem.

O sucesso resulta da sua saúde e da sua autoconfiança. No entanto, a ansiedade e a angústia não ajudarão a alcançar os objetivos. Dessa forma, é importante que você adote uma reeducação alimentar e abandone os hábitos ruins.

Porém, não adianta adotar um regime restritivo e não aprender a substituir os alimentos. É preciso substituir alimentos prejudiciais com alto teor calórico por alimentos saudáveis.

Outro fator fundamental é a prática de esportes. Os exercícios podem elevar a autoestima e ajudar com a saúde motora e emocional.

E, por fim, não se compare com outras pessoas. Cada um tem a sua forma de enfrentar a obesidade e a baixa autoestima. Respeite o seu processo de emagrecimento e saiba que a sua jornada é diferente de outras pessoas.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião do aparelho digestivo, bariátrica e cirurgia geral em Umuarama.

O que deseja encontrar?

Compartilhe